Endereço: Estrada Roberto Burle Marx, nº 2019 - Barra de Guaratiba - RJ - CEP: 23020-240 - Brasil Tel: (21) 2410-1412
E-mail: visitas.srbm@iphan.gov.br

O SRBM


É uma instituição cujas funções básicas – conservação, pesquisa e difusão de bens naturais e culturais – a caracterizam, segundo conceito estabelecido pelo Conselho Internacional de Museus – ICOM/UNESCO – como unidade museológica; segundo sociedades internacionais de jardins botânicos e a Rede Brasileira de Jardins Botânicos, como Jardim Botânico e, segundo a determinação de Roberto Burle Marx, ao doá-lo em 1985 à então Fundação Nacional Pró Memória, como um centro de estudos, no caso um Centro de Estudos de Paisagismo, Botânica e Conservação da Natureza.

Localizado na vertente oeste do Morro do Capim Melado, pertencente ao maciço da Pedra Branca, o terreno de 807.000 m2 vai da cota zero à altitude de 400m, numa faixa de aproximadamente 350m de largura, ao longo da linha de maior declive. É limitado, na parte mais baixa, pelo Canal da Maré que deságua na Baía de Sepetiba e, na mais alta, pela cumeeira do morro. Sua vegetação nativa constitui-se de espécies pertencentes ao manguezal, à restinga e à mata atlântica.

Capela de Santo Antônio da Bica
Convivendo com a vegetação nativa, seu acervo botânico e paisagístico, que inclui cerca de três mil e quinhentas espécies cultivadas, com ênfase em plantas tropicais autóctones do Brasil, é, segundo a opinião de diversos especialistas do país e do exterior, uma das mais importantes coleções de plantas vivas existentes em todo o mundo, sendo de inestimável valor como testemunho das profundas alterações sofridas pela natureza em nosso país.

O SRBM é hoje uma unidade especial pertencente ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), órgão do Ministério da Cultura, e está situado na Estrada Roberto Burle Marx (antiga Estrada da Barra de Guaratiba) n.º 2019, na zona oeste do município do Rio de Janeiro. Foi residência particular de Roberto Burle Marx, de 1973 até em 1994, ano da morte do mais famoso paisagista brasileiro.
Até o século XVII, o sítio chamava-se Fazenda da Bica, pois na parte mais alta do terreno existem fontes de água que eram canalizadas e aproveitadas pelos moradores da região numa bica acessível a todos, junto à estrada. Em 1681, a fazenda pertencia a um senhor que mandou erigir, naquele ano, ao lado da casa principal, uma capela dedicada a Santo Antônio. A partir daí, passou a ser conhecida como Sítio Santo Antônio da Bica.

Em 1949, foi adquirido por Roberto Burle Marx e por seu irmão Guilherme Siegfried Marx para abrigar uma coleção botânica. Em 1973, Burle Marx mudou-se definitivamente para lá, onde pode acompanhar com mais constância a aclimatação e o desenvolvimento das plantas, em grande parte obtidas por meio de freqüentes excursões de coleta que realizou a locais de vegetação intocada no Brasil. Muitas dessas plantas tinham comportamento completamente desconhecido e necessitavam ser testadas antes de utilizadas em projetos de paisagismo.

Com o passar do tempo e ampliação do acervo, Burle Marx começou a imaginar uma forma de fazer com que seu esforço não se perdesse num futuro que já o preocupava. Havia na coleção muitas espécies, tão raras em seu habitat natural quanto escassas no Sítio, sendo multiplicadas para que, quando houvesse um número razoável, pudessem ser incluídas nas experiências e, talvez um dia, introduzidas no vocabulário paisagístico corrente. A oportunidade de garantir a continuidade do trabalho apareceu quando a Fundação Pró Memória (hoje IPHAN), reconhecendo o grande valor daquela obra, dispôs-se a manter o Sítio depois do desaparecimento de seu criador.
Após a doação ao Governo Federal, em 1985, o lugar passou a chamar-se Sítio Roberto Burle Marx, conforme estabelecido no termo oficial.

A partir de 1992, ficou decidido, em últimas instâncias judiciais, que o trecho entre a então Estrada da Barra de Guaratiba (hoje Estrada Roberto Burle Marx) e o Canal da Maré era propriedade do Exército, ficando o SRBM restrito á parte restante, com 407.000 m2.

Nesta área, ao longo de 45 anos, Roberto Burle Marx organizou e preservou uma das mais importantes coleções de plantas vivas do mundo, seja pela quantidade de indivíduos, seja pela diversidade das espécies preservadas, destacando-se as famílias das Araceae, Bromeliaceae, Cycadaceae, Heliconiaceae, Marantaceae, Arecaceae e Velloziaceae. No acervo predominam plantas autóctones do Brasil.
Lagos, morros, nascentes, encostas, brejos, pedreiras e algumas áreas relativamente áridas abrigam esta coleção. Foram também construídos ripados ou sombrais para as plantas que necessitam de condições ambientais especiais de sub-bosque, totalizando mais ou menos 14.000m2 de área coberta por um tipo de tela de proteção especial denominada “sombrite”.

O SRBM conta ainda com importante acervo museológico e bibliográfico, dividido em três conjuntos de imóveis principais, destacando-se, primeiramente, a casa onde o paisagista morava. Esta casa foi aberta ao público em agosto de 1999. Sua construção é do início do século, mas sem grande valor como representante da arquitetura de uma época, pois sofreu várias alterações e acréscimos. Abriga importantes conjuntos, entre os quais enumeramos coleções de arte sacra, pinturas e esculturas do próprio Burle Marx e de artistas contemporâneos, arte pré-colombiana, obras de arte popular brasileira em cerâmica (principalmente do Vale do Jequitinhonha) e madeira, mobiliário e objetos de decoração, bem como uma coleção de conchas.

A casa encontra-se preservada exatamente como por ocasião da morte do doador, constituindo fundamental documento sobre Burle Marx. Na área externa da casa, localiza-se a “Loggia”, local utilizado para serigrafia e pintura de grandes painéis em tecido. Mais adiante há um grande salão de festas aberto, projeto de Haroldo Barros e Rubem Breitman, premiado pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil em 1963. Em ambos os locais, existem painéis de azulejo de autoria de Burle Marx.

Ao lado da casa, localiza-se a Capela de Santo Antônio da Bica, construída no século XVII e restaurada pelo paisagista, com assessoria de Lúcio Costa e Carlos Leão. Tombada pelo patrimônio estadual, a Capela ainda hoje é utilizada pelos habitantes da região para cerimônias religiosas administradas pela paróquia de Guaratiba.

No final de sua vida, o paisagista fez construir, num nível do terreno mais alto que o de sua casa, um ateliê que pretendia usar para seus trabalhos de pintura, desenho, serigrafia, gravura e escultura e também como um espaço para exposições, aulas etc. A construção apresenta uma fachada original feita de pedras de cantaria, pertencente a um imóvel do século XVIII, antes localizado no centro da cidade do Rio de Janeiro, cujo projeto é provavelmente de um discípulo do arquiteto Grandjean de Montigny. O projeto do ateliê é do arquiteto Acácio Gil Borsoi. Seu interior abriga uma tapeçaria e alguns quadros de grandes dimensões, pintados por Burle Marx expressamente para o local, bem como parte de sua coleção bibliográfica. Contém ainda alguns exemplares de suas esculturas em bronze e em vidro (Murano) e algumas peças de artesanato brasileiro.

O prédio da administração do Sítio, onde funciona a diretoria e as equipes de técnicos e de administradores, foi obra projetada pelo arquiteto Ary Garcia Rosa. Possui uma biblioteca especializada com cerca de 2.600 títulos em botânica, arquitetura e paisagismo, duas salas de aula, um auditório, um herbário e um laboratório para pesquisas. A estrutura permite o funcionamento regular de cursos de jardinagem, paisagismo e botânica para o público em geral e, mais especificamente, para níveis superiores de graduação. Por falta de uma reserva técnica, encontram-se nas paredes internas desta edificação várias pinturas de Burle Marx, bem como seus diplomas, certificados e medalhas.
A visitação pública ao SRBM começou a ser feita, em dias úteis, no ano de 1995, para grupos previamente agendados de até 35 pessoas. A partir de 1996, passou a acontecer também nos fins de semana. Entre os visitantes, incluem-se arquitetos e paisagistas de todo o mundo, pesquisadores, fotógrafos e ilustradores botânicos, turistas estrangeiros e de outros estados brasileiros encaminhados por agências de turismo, bem como um grande número de estudantes da rede pública e privada e grupos de terceira idade. As visitas são orientadas por guias especialmente treinados que fornecem informações sobre Roberto Burle Marx, sua obra, a coleção de plantas e seus espécimes individuais.

Em 10 de agosto de 2000, numa sessão solene, comemorativa do centenário de nascimento de Gustavo Capanema, o conselho do IPHAN decidiu que o SRBM seria tombado, o que de fato aconteceu em 14 de junho de 2002, através da Portaria n.º 321, publicada às fls. 329 do Diário Oficial da União.
A questão do tombamento dos jardins do SRBM foi debatida na sessão de 10/08/2000, tendo vários conselheiros se pronunciado quanto à falta de critérios estabelecidos capazes de pautar aquele procedimento, e semelhantes no futuro. O presidente do IPHAN considerou procedentes as observações e reconheceu a oportunidade de elaborá-los a partir daquela data. (Ata da 23ª Reunião do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural).

Roberto Burle Marx dizia: “– O jardim é a natureza ordenada pelo homem e para o homem”. Tanto o jardim como a natureza possuem a dinâmica da vida e, pelo fato de que o principal acervo do SRBM é constituído de jardins, florestas preservadas e coleções de plantas, sua manutenção é bastante diferente, tanto nas ações quanto no que se refere às apreciações, avaliações e quantificações para relatórios de trabalho, daquelas de unidades museológicas de acervo inerte.

A qualidade de uma área paisagística nunca permanece constante. Pode decair, se não houver manutenção adequada, ou evoluir favoravelmente se o trabalho que ela demanda for acompanhado da compreensão do que se pretendeu alcançar e foi perseguido durante o trabalho desde o início.

As condições climáticas das latitudes em que vivemos favorecem a exuberância da vegetação. Além da torrente de plantas “clandestinas” que tenta permanentemente conquistar seu espaço, alguns indivíduos e conjuntos vegetais avolumam-se em detrimento de outros que também faziam parte da experiência paisagística original. Tudo isto é acompanhado de mudanças no microclima e na situação das disputas pelos nutrientes do solo e pela energia solar.

Roberto Burle Marx costumava nos alertar para o que ele chamava de “o imponderável” nos projetos de jardins, que tanto pode ser uma agradável surpresa, como seu oposto.
O exercício da decisão sobre o que vale a pena manter e o que precisa ser erradicado tem que ser quotidiano.

Grande parte de nossa atividade é empregada para evitar que a avassaladora ordem silvestre, nesse caso sinônimo de caos cultural, ocupe o espaço da ordem humana que aqui é patrimônio de todos os brasileiros. Mais informações podem ser acessadas clicando nos links da coluna ao lado.








Sobre as visitas ao Sítio Roberto Burle Marx


O Sítio Roberto Burle Marx está aberto à visitação pública todos os dias, menos segundas-feiras, domingos e feriados.

As visitas precisam ser agendadas, em horário comercial, pelo telefone (21) 2410-1412, são conduzidas a pé, acompanhadas por monitor que explica o que é visto, e ocorrem em dois horários: 9h30 e 13h30.

O número máximo de visitantes por grupo é de 35 pessoas e o preço do ingresso individual é de R$ 10,00 (
não trabalhamos com cheques e cartões, apenas dinheiro como forma de pagamento).

Pessoas acima de 60 anos pagam meia entrada.


Crianças de até 5 anos não pagam, desde que acompanhadas de, pelo menos, um dos pais.

Há ainda um tipo de visita especial, para grupos fechados, em que o horário é estabelecido de comum acordo, cujo preço é de R$ 150,00 para a guia mais R$ 30,00 por pessoa (não trabalhamos com cheques e cartões, apenas dinheiro como forma de pagamento).

A visita dura pouco mais de 90 minutos, percorre aproximadamente 1.800 metros num caminho que se eleva 45 metros desde o ponto de partida. Pessoas de 3ª idade devem ser alertadas para este fato.

É aconselhável o uso de sapatos confortáveis e recomenda-se a pessoas alérgicas que tragam repelente de insetos.

Existe uma lojinha de souvenires no local (não trabalhamos com cheques e cartões, apenas dinheiro como forma de pagamento), onde há também sanitários e bebedouro, mas não há lanchonete, nem são permitidos lanches ou piqueniques dentro do Sítio.

São permitidas fotografias nas áreas externas, desde que a pessoa não se afaste do grupo para ficar fotografando e desde que não sejam fotos profissionais. Portanto, não são permitidas aquelas que empreguem múltiplas lentes ou que utilizem tripé.

Os interessados na reprodução fotográfica profissional, ou independente do grupo de visitas, deverão solicitar autorização com antecedência e preencher formulário próprio.








21 comentários:

  1. Nossa visita ao Sítio, em 7/7/09, foi inesquecível, Robério. Especialmente pela sua recepção cordial e pela riqueza de informaçoes com que nos encantou a partir de sua convivência direta com Roberto Burle Marx. Admiramos o seu compromisso para com a continuidade do ideal e das realizações do grande artista e paisagista. Deixamos aqui nosso tributo de admiração a ele e a você. Ficamos na torcida para que sua administração concretize os belos projetos de expansão e melhorias do Sítio. Pela memória de Roberto e para o bem deste nosso querido Rio de Janeiro.
    Sandra Magaldi, pelo grupo de contistas Amigos de Xochipilli

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. As minhas congratulações com um blog maravilhosamente feito em Sitio Burle Marx. Visitei com Roberto e um grupo de amigos em 1973 pela primeira vez, e em vários outros ocassions. Um lugar fascinante criado por um arquiteto paisagista fascinante e artista.

    Orlando Comas, A.S.L.A., Arquiteto Paisagista.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom, parabéns pelo trabalho.Sempre acompanhei os projetos de Burle Max - fantásticos, era um homem de muito bom gosto.
    O meu sonho era ter feito biologia,talvez influenciado por ele naquela época, mas...a vida levou-me para outros lugares.
    Sou professora de português, contadora de histórias e pesquisadora da nossa cultura popular.Eu tive um cunhado, que hoje é falecido, que trabalhou com Burle Max em sua casa.
    Vou voltar.
    Saudações Florestais !
    Silvana Nunes/RJ

    http://www.silnunesprof.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Muito interesante todo no seu Blog, eu estou estudando atualmente Português (CEBP-C.Basico) para fazer meu mestrado no Brasil e claro meu sonho é fazer-lhe no Rio (UFRJ).
    É uma noticia maravilhosa de sua presença no Peru na Universidade Catolica (PUCP), e mais maravilhosa pois Eu sou arquiteta e para mim é um prazer ter-lhe aqui.
    Desejo que o proximo ano possa ir no Rio...para estudar e conhecer seu cidade¡¡¡
    Amelia Simauchi Vasquez. (Universidad Ricardo Palma-Fau)

    ResponderExcluir
  6. Conheci o Sitío há dois sábados e fiquei maravilhada com tudo o que vi. O único comentário a fazer, em termos de contribuição, é que as recomendações (que se encontram no folheto distribuído dentro do Sítio) fossem divulgadas nos jornais. Eu fui com uma agência de viagens e por isso não tive problemas,mas acredito que muitos dos que moram aqui no Rio não saibam que precisam agendar a visita e que há horários determinados para a visita. Eu, provavelmente, se fosse só, perderia a viagem, pois desconhecia os trâmites necessários para a visita. Tal informação presente em jornais não só estimularia a ida ao Sítio Burle Marx como evitaria possíveis transtornos. Fora isso, foi uma experiência maravilhosa. Elizabeth Dreon/RJ

    ResponderExcluir
  7. Olá,
    somos da Guia Marketing, agência licitada pela Vale (do Rio Doce) para fazer seus eventos. Nos interessa realizar um deles no sitio. è possível? Agurdo retorno. Helga Gentil ( helga@guiamkt.com.br)

    ResponderExcluir
  8. Veja fotos de nossa visita ao Sítio Roberto Burle Marx em:

    http://ipcentralcamara.blogspot.com/2010/06/visita-ao-sitio-roberto-burle-marx.html

    Igreja Presbiteriana Central de Senador Camará
    http://ipcentralcamara.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Sou Juraci Bazani, moro em Imbituba, uma cidade linda ao Sul de Santa Catarina, e ando indignada com o que esta ocorrendo por aqui.

    Resolveram revitalizar o centro da cidade, e para isto estão num primeiro momento, podando as arvores das ruas do centro para depois de semanas arranca-las do chão deixando visiveis suas raizes voltadas tristemente para o ceu, dezenas de arvores ja foram arrancadas e outras tantas estão na mira da moto serra.

    Minha indignação é que também estão usando o nome de Roberto Burle Marx para justificar tamanha barbarie ao arrancar sem motivo aparente, (ja que se trata de arvores sadias e lindas,) arvores que poderiam conviver pacificamente com a tal "revitalização"

    Quando busquei explicação para o que esta acontecendo, fui informada que se tratava de um projeto de revitalização assinado por Roberto Burle Marx, documento este que não me foi mostrado e duvido que exista, pois ate onde sei, Burle Marx era um ferrenho defensor do meio ambiente. Busquei inclusive o Ibama nunca encontrando alguem que pudesse me ajudar.
    Não é a primeira vez que isto acontece e alegam tratar-se de um projeto assinado por Burle Marx, no inicio do ano justificando a revitalização da praça central muitas arvores foram arrancadas, e tambem fui informada com certo orgulho por parte do informante que se tratava de um projeto de revitalização assinado por Burle Marx, e tambem não me apresentaram tal documento.

    Por favor, se puderem me ajudar a evitar que mais arvores sejam arrancadas e que o nome de Burle Marx deixe de ser emporcalhado me informe pelo e.mail j.bazzani@hotmail.com

    ResponderExcluir
  10. Gostaria muitíssimo de visistar o SRBM. Mas não consigo agendar a visita. Já liguei diversas vezes para o telefone da presente instituição e ninguém atende. Como faço?

    ResponderExcluir
  11. Olá! Sou Luís, morador d cidade de Louveira/SP. Aqui uma antiga fazenda - Fazenda Sapucaia - tem jardins e lagos criados por Burle Marx à pedido dos proprietários. Hoje, a fazenda é um grande condomínio de casas, onde, área de lazer integra o paisagismo. Porém, o abandono e as obras de implantação do condomínio - condomínio Santa Isabel/Fazenda Sapucaia, da Scopel, São Paulo; deterioraram e estão transformando os jardins, assoriando os lagos. Há algum registro dees jardins? Alguém poderia vir visitar e fotografar para poder-se resgatar a obra? tenho algumas fotos do início, qdo não sabíamos que era de BM.
    luis.boneso@gmail.com

    ResponderExcluir
  12. Prezados senhores:
    gostariamos de entrar em contato com o Sitio Roberto Burle Marx para solicitar uma obra em emprestimo para exposiçao no IAC em Sao Paulo. qual seria o email de contato?
    meu contato é iarafreiberg@gmail.com
    muito obrigada desde já
    atenciosamente
    iara

    ResponderExcluir
  13. Estou tentando agendar uma visita ao sítio para 5 pessoas, porém o tel informado por vcs se encontra ocupado direto. Tem outro número para contato? Nós gostaríamos de visitar o sítio ATÉ o dia 31/12, é possível? Meus contatos são, email catbastos@uol.com.br ou pelos tels 79379821/ 25475265 Rio de Janeiro.
    Espero ansiosa por um contato de vcs. Obrigada pela atenção.

    ResponderExcluir
  14. I was trying to find their email which I can use to contact their education professionals, any body can tell me where I can find it? We will have a special visit to them.
    Is that calling them ahead the only way to make schedule of the tour? Thanks.
    Email me back if you know cyling@udel.edu. Thanks a million.

    ResponderExcluir
  15. Olá. Estou cursando agronomia na UFRRJ, queria saber se ha vagas para estagiário?
    Grato. nonatsps@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  16. Gostaria de fazer um ensaio fotográfico no sitio é possível?
    Meu contato: anneprofessional@hotmail.com

    ResponderExcluir
  17. Olá, estive na semana passada no Sítio Roberto Burle Marx. Muito bom! O resultado foi este texto no meu blog: http://riodetantosprazeres.blogspot.com.br/2013/08/sitio-roberto-burle-marx.html

    ResponderExcluir
  18. poxa poderia abrir nos feriados porque as pessoas trabalham e as vezes só tem o feriado pra passear e conhecer lugares lindos como esse. por que nao abrem no feriado?

    ResponderExcluir
  19. Olá, Parabéns pelos artigos, eles tornaram o Blog excelente!!!
    Somos da Gramas Pardim uma empresa que produz, comercializa e aplica Grama Natural de altíssima qualidade nos mais diversos segmentos e regiões do Brasil.
    Visite nosso site e confira os Tipos de Grama que trabalhamos:
    Grama Esmeralda
    Grama Bermudas
    Grama São Carlos
    Grama Batatais
    Grama Santo Agostinho
    Grama Coreana

    Fornecemos para todo o Brasil, solicite-nos um orçamento para sua cidade e obtenha o melhor Preço de Grama do mercado, entre tantos municípios distribuímos:
    Grama em São Paulo SP
    Grama em Campinas SP
    Grama em Guarulhos SP
    Grama em Ribeirão Preto SP
    Grama em Belo Horizonte MG
    Grama em Rio de Janeiro RJ
    Confira !!!

    ResponderExcluir
  20. Uma beleza seu blog e tudo o que nele se vê!
    Vcs tem cursos regulares de paisagismo ! Jardinagem?
    Há algum interesse em desenvolver projeto tendo como campo de estágio instituição pública federal?
    Aguardo retorno, grata.

    ResponderExcluir



O Sítio Roberto Burle Marx (SRBM) é uma unidade especial do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), órgão do Ministério da Cultura do Brasil (MinC).
Este blog nasce da necessidade de reunir os links de todas as publicações referentes ao SRBM que já existiam na Internet para mais facilmente indicá-las aos interessados.